REPRIMARIZAÇÃO E DESINDUSTRIALIZAÇÃO: OS IMPACTOS DA LEI KANDIR E DO COMÉRCIO COM A CHINA NO COMPLEXO SOJA

  • Allan Silveira Dos Santos Doutorando economia UNB
  • Mateus Boldrine Abrita Professor de Economia na Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS) Graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) Mestre em Economia pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) Publica nas áreas de Macroeconomia, Economia Monetária, Agronegócios e Mercado de Capitais
  • Erica Oliveira Gonzales Doutoranda economia UNB
Palavras-chave: Complexo Soja, Lei Kandir, Exportações e escalada tarifária

Resumo

Este artigo objetiva analisar a pauta exportadora do complexo de soja e suas modificações com o advento da Lei Kandir e daparticipação da China, sob a hipótese de que esses eventos podem gerar externalidades negativas para a economia brasileira em termosde reprimarização da pauta de exportações do país. Para isso, foi realizada uma análise dos dados de produção e comercializaçãodo complexo da soja no Brasil e no mundo, bem como foi realizada pesquisa sobre os fatores que influenciam o comércio dessesprodutos. Como resultado, observou-se que houve uma queda das exportações de produtos de maior valor agregado, como óleo efarelo e ampliação significativa das exportações de soja in natura. A Lei Kandir, o perfil de comercialização da China e a utilizaçãode práticas de escalada tarifária contribuíram para tal acontecimento.

Biografia do Autor

Allan Silveira Dos Santos, Doutorando economia UNB
Doutorando economia UNB
Mateus Boldrine Abrita, Professor de Economia na Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS) Graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) Mestre em Economia pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) Publica nas áreas de Macroeconomia, Economia Monetária, Agronegócios e Mercado de Capitais
Professor de Economia na Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)Graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)Mestre em Economia pela Universidade Estadual de Maringá (UEM)Publica nas áreas de Macroeconomia, Economia Monetária, Agronegócios e Mercado de Capitais
Erica Oliveira Gonzales, Doutoranda economia UNB
Doutoranda economia UNB
Publicado
19-04-2017
Seção
Artigos