INDICADORES DE DESIGUALDADE DE RENDA E POBREZA NA AGRICULTURA DO ESTADO DE MINAS GERAIS

  • Luiz Eduardo Vasconcelos Rocha UFSJ
  • Gilnei Costa Santos UFV
  • Patrícia Lopes Rosado UFSJ

Resumo

O propósito do trabalho foi analisar as mudanças na desigualdade de renda e da pobreza das pessoas com ocupação principal na agricultura do estado de Minas Gerais, entre os anos de 1991 e 2000, período em que se intensificou a modernização do setor. Para tanto, este trabalho foi desenvolvido sob dois aspectos básicos: o geográfico, ao desagregar os indicadores de pobreza e concentração de renda para as doze mesorregiões do Estado; e o sociodemográfico, ao decompô-los segundo a posição na ocupação, educação, idade, sexo e raça. Em todas as mesorregiões do Estado, foram observados decréscimo da população ocupada na agricultura e aumento da participação das pessoas sem remuneração. A concentração da renda, medida pelos índices T e L de Theil, no período, ao contrário do índice de Gini, que permaneceu praticamente estável, aumentou, influenciada pelos fatores explicativos ocupação e educação. Observou-se, em todas as mesorregiões, decréscimo da pobreza, explicado pelo ganho de eficiência do setor, viabilizando salários mais altos, mas também pela eliminação de ocupações de menor remuneração. O processo de modernização da agricultura mineira, no período, foi concentrador e excludente, ocorrendo principalmente nas áreas de fronteira agrícola, deixando um expressivo contingente de pessoas abaixo da linha de pobreza.
Publicado
30-01-2014
Seção
Artigos