A REDE DE ECONOMIA SOLIDÁRIA DO ALGODÃO AGROECOLÓGICO: DESENVOLVIMENTO HUMANO SUSTENTABILIDADE E COOPERAÇÃO ENTRE OS PRODUTORES RURAIS DO ESTADO DO CEARÁ

  • Maria Vilma Coelho Moreira Faria Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira
  • Josiane de Andrade Pereira
Palavras-chave: Economia solidária, algodão agroecológico, cooperação, desenvolvimento humano, sustentabilidade

Resumo

A economia solidária, enquanto forma de reorganização social de várias esferas da ação humana, tem se expandido notavelmente nas últimas décadas e assumido várias formas e configurações. Objetivou-se, neste artigo, principalmente, analisar a influência de três dimensões da economia solidária: cooperação, desenvolvimento humano e sustentabilidade, entre produtores rurais que integram a chamada “Justa Trama” - Rede Solidária do Algodão Agroecológico–. Essa rede atua desde a produção do algodão até a confecção e comercialização das roupas e acessórios. O estudo caracteriza-se como qualitativo. A coleta de dados foi realizada por meio de entrevistas semiestruturadas aplicadas a diversos informantes-chave e a vinte e cinco agricultores. Os entrevistados atuam na primeira etapa de produção do algodão agroecológico no estado do Ceará. Os dados coletados revelaram que as dimensões estudadas, apesar de serem articuladas e compreendidas de forma incipiente pelos trabalhadores rurais, fazem parte das suas práticas cotidianas. A inserção dos produtores rurais no contexto dessa rede tem trazido vários benefícios para os agricultores, como o aumento da renda e consciência ambiental, e incentivado a solidariedade e cooperação mútua.

Biografia do Autor

Maria Vilma Coelho Moreira Faria, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira
Professora Adjunta
Josiane de Andrade Pereira
Doutoranda da Escola de Administração de Empresas de São Paulo
Seção
Artigos