INTRODUÇÃO E EXPANSÃO DO CAFÉ NA REGIÃO SUL DE MINAS GERAIS

  • Ferdinando Filetto
  • Edgard Alencar
Palavras-chave: Café, complexo rural, história regional

Resumo

Este trabalho teve como objetivo analisar historicamente a introdução e a expansão do café da região sul de Minas Gerais. Consideramos objeto de estudo historiográfico obras literárias, documentos, textos de natureza jornalística, memorialística, biográfica, documental e didática. Outro método utilizado foi o quantitativo, além da história oral e a história de vida que suplementaram os documentos oficiais. Nosso objeto empírico de investigação foi a região sul de Minas Gerais e a temática de estudo o desenvolvimento histórico do café nesta região. A expansão do cafeeiro no sul mineiro fez surgir uma paisagem nova – a paisagem do café. Onde era mata virgem, apareceram as fazendas auto-suficientes, emoldurando o planalto. Provocou o crescimento de muitas cidades. Multiplicou as vias férreas, substituindo as trilhas onde predominavam as tropas de burros. As primeiras culturas de café no sul mineiro foram estabelecidas em Aiuruoca, Jacuí e Baependi, no vale do rio Sapucaí e rio Grande, em fins do século XVIII, por intermédio dos tropeiros que faziam a ligação do sul mineiro com o Rio de Janeiro. Determinamos que o maior entrave à expansão da cafeicultura sul mineira foi a dificuldade de transportes. As vias de comunicação eram precárias e as distâncias a serem percorridas muito longas. Até o final do século XIX, a produção e exportação foram modestas, frente à concorrência das áreas produtoras localizadas mais próximas aos portos de embarque. O início do século XX trouxe uma nova dinâmica produtiva, graças às linhas ferroviárias. São 200 anos de cultura cafeeira no sul mineiro, motivo maior que justifica a denominação de “tradicional região cafeeira”.
Seção
Artigos