A CULTURA DA MANDIOCA NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ:UM ESTUDO DA COORDENAÇÃO DA CADEIA SOB A ÓTICADA TEORIA DOS CONTRATOS

Autores

  • Emerson Finger de Souza Universidade Estadual do Oeste do Paraná
  • Jefferson Andronio Ramundo Staduto Universidade Estadual do Oeste do Paraná
  • Weimar Freire da Rocha Júnior Universidade Estadual do Oeste do Paraná
  • Rúbia Nara Rinaldi Universidade Federal de São Carlos

Palavras-chave:

mandioca, agronegócio, contrato

Resumo

Com este trabalho apresenta-se uma análise da coordenação entre os produtores da raiz de mandioca e as indústrias processadoras, tendo como objeto três indústrias localizadas na região Oeste do Paraná. Esta cadeia, em poucos anos, tornou-se bastante dinâmica em razão de inúmeros fatores, dentre os quais se destaca o institucional. Verificou-se, também, uma grande volatilidade no preço da mandioca, nos últimos anos, o que veio a comprometer o desempenho da cadeia, principalmente, da produção da fécula modificada, que tem um alto valor agregado. Uma das causas dessas oscilações deveu-se, dentre outros motivos, à falta de coordenação entre os agentes. Para encontrar evidências e soluções às respostas dos questionamentos levantados no trabalho, utilizou-se a abordagem da Nova Economia Institucional. Para isso, foram analisadas três fecularias, na região Oeste do Paraná, cujos resultados, da pesquisa, evidenciaram a pouca utilização dos contratos, o que prejudica a estrutura de governança. Dentre as causas percebidas para tal situação está o fato de que existem muitos produtores que não são mandiocultores profissionais e, ainda, a baixa especificidade do ativo mandioca, que acaba acarretando perda de eficiência no sistema.

Downloads

Publicado

2011-04-18

Como Citar

DE SOUZA, E. F.; RAMUNDO STADUTO, J. A.; JÚNIOR, W. F. da R.; RINALDI, R. N. A CULTURA DA MANDIOCA NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ:UM ESTUDO DA COORDENAÇÃO DA CADEIA SOB A ÓTICADA TEORIA DOS CONTRATOS. Organizações Rurais & Agroindustriais, [S. l.], v. 7, n. 1, 2011. Disponível em: http://revista.dae.ufla.br/index.php/ora/article/view/205. Acesso em: 16 jan. 2022.

Edição

Seção

Artigos