Hedge dinâmicos: uma evidência para os contratos futuros brasileiros

  • Sanderci Alves Bitencourt
  • Washington Santos Silva
  • Thelma Sáfadi
Palavras-chave: Razão ótima de hedge, modelos GARCH BEKK, regressão

Resumo

O setor agropecuário vem se transformando, crescendo e ocupando uma posição de destaque na economia. Essas transformações passam a exigir uma maior preocupação com a gestão dos riscos da atividade. Nesse sentido, os contratos negociados na BM&F tornaram-se instrumentos eficazes na redução do risco de mercado, mediante uma operação denominada hedge. Contudo, ainda existe a necessidade do aperfeiçoamento das técnicas econométricas para a estimação das chamadas razões ótimas de hedge, pois se observa na literatura nacional que a maioria dos trabalhos desconsidera alguns aspectos do comportamento das séries de retornos. Isto posso, com o presente trabalho busca-se analisar dois métodos para o cálculo dessas razões ótimas de hedge, o modelo convencional de regressão e o modelo GARCH BEKK bivariado, que leva em consideração as correlações condicionais das séries. A análise preliminar dos resultados aponta no sentido de que a razão ótima de hedge não é constante no tempo, sugerindo que a utilização de modelos que consideram a dependência temporal das séries seja mais realista. A metodologia é exemplificada pelos preços da commodity boi gordo.
Publicado
18-04-2011
Como Citar
BITENCOURT, S.; SILVA, W.; SáFADI, T. Hedge dinâmicos: uma evidência para os contratos futuros brasileiros. Organizações Rurais & Agroindustriais, v. 8, n. 1, 18 abr. 2011.
Seção
Artigos