MEGAPRODUTORES: A ESTRATÉGIA QUE DEU ORIGEM A UMA NOVA CATEGORIA DE PRODUTORES NOS SISTEMAS AGROINDUSTRIAIS

Autores

Palavras-chave:

Segmentação de mercado, Agronegócio, Private Banking

Resumo

Em 2011, uma importante instituição financeira criou em sua estrutura de private banking uma carteira formada exclusivamente por produtores rurais. Tal estratégia evidenciou a heterogeneidade entre os produtores rurais brasileiros, ainda pouco explorada pela literatura. Nesse sentido, objetivou-se nesse estudo descrever a estratégia que originou esta nova categoria de produtores, identificando os motivos que influenciaram a sua implementação. Para tanto, realizou-se um estudo de caso sobre a estratégia adotada pela instituição estudada. As informações foram coletadas por meio de análise documental e entrevistas semiestruturadas com 6 funcionários envolvidos diretamente no processo que deu origem aos Megaprodutores. Conforme os resultados, a estrutura dos mercados de private banking e de crédito rural foram os principais influenciadores para que a instituição criasse e implementasse a estratégia analisada. Também foi identificado que a estratégia contribuiu para que o banco estudado se posicionasse de maneira mais competitiva no mercado rural, além de influenciar a conduta dos demais participantes. Ademais, os achados da pesquisa evidenciam um novo perfil de produtores rurais, com necessidades e capacidades diferentes daquelas usualmente conhecidas.

Biografia do Autor

Patrick Fernandes Lopes, Banco do Brasil S.A

Doutor em Administração pela UFLA.

Angélica da Silva Azevedo, Universidade Federal de Lavras (UFLA).

Doutoranda em Administração pela UFLA.

Luiz Gonzaga de Castro Junior, Universidade Federal de Lavras (UFLA).

Professor Titular da UFLA.

Downloads

Publicado

2021-02-12

Como Citar

LOPES, P. F.; AZEVEDO, A. da S.; DE CASTRO JUNIOR, L. G. MEGAPRODUTORES: A ESTRATÉGIA QUE DEU ORIGEM A UMA NOVA CATEGORIA DE PRODUTORES NOS SISTEMAS AGROINDUSTRIAIS. Organizações Rurais & Agroindustriais, [S. l.], v. 22, 2021. Disponível em: http://revista.dae.ufla.br/index.php/ora/article/view/1656. Acesso em: 15 abr. 2021.