O EMPREENDEDORISMO INSTITUCIONAL NO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE BOA ESPERANÇA (MG) COMO CIDADE COMÉRCIO JUSTO

Autores

  • Aline Villas-Bôas Silveira Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) https://orcid.org/0000-0002-8381-1268
  • Gilmar José dos Santos Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF)

Palavras-chave:

Institucionalização, Legitimação, Campo Organizacional

Resumo

O objetivo deste artigo é estudar o empreendedorismo institucional como força indutora da consolidação de um campo organizacional emergente. Para tanto, analisou-se o papel dos empreendedores institucionais na de certificação de Boa Esperança como Cidade Comércio Justo, baseando-se na proposição de que a criação e a transformação de instituições se explicam, em parte, pelas atividades de atores dotados de recursos e posições que os permitem articular e reforçar inovações. Utilizou-se a abordagem qualitativa, seguindo o desenho de um estudo de caso exploratório-descritivo. Para tanto, foram pesquisadas as agências de oito atores com maior participação no processo, além do exame de documentos e observação direta no local. Os resultados revelaram que esses atores possuíam legitimidade junto aos stakeholders, conseguiram articular o apoio destes e compartilharam dos valores legitimados localmente. Porém, como não houve a necessidade de maiores negociações, essa proposição teórica não pôde ser analisada. Como o caso é recente, também não foi possível constatar se conseguiram a
estabilização completa do campo, que é outra proposição teórica acerca do tema. Contudo, pode-se inferir que eles tiveram função não apenas técnica na certificação, mas também foram fundamentais na construção de um universo simbólico que permitirá a institucionalização dessa estrutura e sua transmissão para gerações futuras. Este trabalho contribui ao examinar proposições teóricas num contexto empírico, por meio de uma análise minuciosa de fatos. Indica também diretrizes às ações de organizações públicas, sociais e privadas, que devem atentar aos comportamentos e ações de atores-chave para legitimar e institucionalizar políticas ou programas.

Publicado

2021-05-17

Como Citar

SILVEIRA, A. V.-B.; SANTOS, G. J. dos. O EMPREENDEDORISMO INSTITUCIONAL NO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE BOA ESPERANÇA (MG) COMO CIDADE COMÉRCIO JUSTO. Organizações Rurais & Agroindustriais, [S. l.], v. 22, n. 2, p. e1565, 2021. Disponível em: http://revista.dae.ufla.br/index.php/ora/article/view/1565. Acesso em: 28 jun. 2022.