O DESEMPENHO DO HEDGE PARA CONTRATOS FUTUROS DE BOI GORDO: UMA ANÁLISE A PARTIR DAS PRINCIPAIS PRAÇAS PRODUTORAS BRASILEIRAS

  • Luiz Eduardo Gaio Universidade Estadual de Campinas (FCA/Unicamp)
  • Daniel Henrique Dario Capitani Universidade Estadual de Campinas (FCA/Unicamp)
Palavras-chave: Derivativos Agropecuários, Efetividade do Hedge, Razão de Hedge

Resumo

O objetivo deste estudo se deu em analisar o desempenho do hedge de boi gordo na Brasil, Bolsa, Balcão (B3) considerando as principais praças produtoras do Brasil, avaliando a razão ótima e a efetividade do hedge. Para isso, aplicou-se uma derivação do modelo clássico de razão de hedge estática, incluindo um modelo de correção de erros (VEC) e, posteriormente, com a inclusão do modelo multivariado diagonal BEKK para análise da razão e efetividade do hedge dinâmicos. Considerando o período de análise ente 2012 a 2016, nota-se, em geral, uma baixa efetividade do hedge, sobretudo nas praças mais distantes da formação dos preços. O modelo dinâmico também sugere que em nenhum momento a razão ótima do hedge supera 50%, indicando que o contrato futuro local não tem sido eficiente para atender à demanda de potenciais hedgers.
Publicado
26-11-2020
Como Citar
GAIO, L.; CAPITANI, D. O DESEMPENHO DO HEDGE PARA CONTRATOS FUTUROS DE BOI GORDO: UMA ANÁLISE A PARTIR DAS PRINCIPAIS PRAÇAS PRODUTORAS BRASILEIRAS. Organizações Rurais & Agroindustriais, v. 21, n. 1-3, p. 65-78, 26 nov. 2020.